Rádios Comunitárias - Radiodifusão

COMUNIDADE NO AR

COMUNIDADE NO AR

Por Rodrigo Oliveira

Prática comum nos bairros da Capital, as rádios comunitárias ganham força também nas cidades da região metropolitana de Porto Alegre.

Para quem passa e olha sem prestar muita atenção, parece só mais uma residência do bairro. As paredes pintadas em tom de azul bastante atual, a ausência de um luminoso ou logotipo na fachada, o portão fechado com corrente e cadeado transmitem bem mais do que a idéia de uma moradia preocupada com a segurança pública. Mas por trás dessas paredes se tansmite também utilidade pública, serviços, entretenimento, cultura e tradicionalismo. Tudo por meio das ondas sonoras da Rádio Comunitária Santa Isabel, na localidade de mesmo nome, na cidade de Viamão (RS).

A estação, no ar desde setembro de 2003, tem como sede uma casa nas dependências paroquianas da Igreja Católica que deu nome ao bairro. Ela atende aos anseios da comunidade estreitando laços e mantendo uma proximidade que facilita a prestação de relevantes serviços aos moradores. Quando a reportagem visitava o estúdio um ouvinte ligava e era colocado imediatamente no ar. Pedia doação de sangue para a cirurgia de um jovem da vizinhança.

Os recursos são escassos é verdade, mas a obstinação de homens como Roberto Kellermann, membro da direção da rádio, faz com que as dificuldades sejam superadas. O ex-policial militar é uma espécie de responsável técnico tanto pela “engenharia” como pela manutenção dos equipamentos, além de organizar elenco e ceder sua casa para ensaios, gravações de apoios culturais e até da rádio novela apresentada pela emissora.

Providenciar os documentos necessários junto ao Ministério das Comunicações, apresentar programas, entre outras tarefas também fazem parte da rotina de Kellermann na rádio. Tudo isso nos horários que sobram, após sua jornada de trabalho numa empresa de telefonia celular na Capital gaúcha.

Com três microfones, um computador, uma mesa de som, um compressor e um transmissor conectado a uma antena, são dissipados os 25 watts de potência que fazem a voz dos mais de 20 comunicadores da rádio, nos seus mais diferentes programas e horários, alcançarem o público dos arredores. Os custos de aluguel, telefone, água, manutenção ou substituição dos equipamentos, internet e luz são cobertos por cotas de apoio cultural, na sua maioria adquiridos pelo comércio local.

Tudo é feito com muito esforço, dedicação e bom humor, visando sempre melhorar ou facilitar a vida e o acesso da população viamonense à informação. A única coisa que desagrada Kellermann é o mau costume das pessoas de chamar a rádio comunitária de pirata. “Rádio pirata é rádio ilegal, sem documentos, sem alvará ou que usa freqüência de outras emissoras. Apesar da burocracia imposta pelo Ministério nós temos tudo documentado. Nós fazemos um trabalho sério e honesto”, ressalta.

OUVINTES FALAM DOS PROGRAMAS

“A rádio é uma maravilha, sempre tem um programa que nos ensina alguma coisa, eu adoro ouvir quando eles falam da história do Rio Grande e da importância de Viamão para o Estado, lá nos tempos daquelas guerras e tudo mais.”

Maria de Lourdes Carvalho, dona de casa, 54 anos.

“Eu trabalho de noite e fico só ouvindo o programa do Nei e depois aquele do Rafaele que só toca música romântica. Lembro do tempo que eu dançava as músicas lentas com a minha mulher nos bailes.”

Robson Martins Dutra, vigia, 39 anos.

“A rádio é ótima, sempre tem coisas aqui de perto. A gente fica sabendo do que aconteceu aqui na cidade, no bairro. Desde que meu filho me mostrou a rádio, eu só escuto ela. Parece que sou amiga deles porque eu sempre conheço os lugares que eles estão falando.”
Elisabete Peixoto, comerciante, 47 anos.

Matéria publicada no Jornal Expresso Popular, Jornal Laboratório da FAMECOS - Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, referente ao mês de Dezembro de 2007, texto (e fotos) de autoria de Rodrigo Oliveira, título "Comunidade no ar" e parabenizo o nosso amigo Roberto Schwartzhaupt Kellermann, radioamador, detentor do Indicativo de Chamada PY3KLM, pelos relevantes serviços de utilidade pública prestados ao populoso bairro Santa Isabel, na cidade de Viamão-RS.