O Rádio no RS - Radiodifusão

O RÁDIO EM CANELA-RS

O RÁDIO EM CANELA-RS

RÁDIO CLUBE DE CANELA

COMO SURGIU A RÁDIO CLUBE DE CANELA

Ao final da década de 40, a cidade de Canela, na Serra Gaúcha, era uma próspera cidade madeireira, estando no apogeu do desenvolvimento com a extração do pinheiro araucária. O único meio de comunicação social da época era o rádio, cujas estações emissoras mais próximas estavam em Taquara, Novo Hamburgo e Caxias do Sul, aqui chegando com um sinal muito fraco de difícil recepção.

Foi neste tempo que Semilio Zeferino Munaretti iniciou as gestões para a criação de uma emissora em Canela, pois na região não havia nenhuma. Eletrotécnico de profissão foi espalhando a idéia a amigos. Alguns o incentivavam, outros o desanimavam. Mas a persistência foi mais forte e venceu.

Inicialmente Semilio solicitou autorização de forma individual ao Ministério da Viação e Obras Públicas, que tinha como titular o gaúcho Clovis Pestana. Não desistiu mesmo quando recebeu a notícia do arquivamento de seu processo, determinado pelo presidente da Comissão Técnica da Rádio, do ministério, Sr. Edmundo Nogueira Brandão. Seguindo orientação do próprio presidente do órgão, Munaretti entrou com um novo pedido de registro, agora em nome da Rádio Clube de Canela Ltda., uma sociedade radiofônica.

Até uma correspondência endereçada ao Presidente da República Getúlio Vargas foi enviada para que fosse despachado favoravelmente o pedido de concessão.

As providências tomadas deram resultado, pois, apesar do intenso número de pedidos de concessões, do Brasil todo, a Rádio Clube de Canela, que vinha funcionando em caráter experimental desde 9 de dezembro de 1949, passou a emitir sua programação oficialmente a partir de 29 de maio de 1952, data de sua inauguração.

Artistas e cantores de renome nacional estiveram presentes na festa de inauguração da Rádio Clube de Canela, tendo sido muito requisitados pela comunidade  canelense e de toda a região.

Daí para a frente, a comunidade aceitou e prestigiou a nova emissora plenamente, não só a canelense mas de toda a região, pois era a que melhor som produzia para os receptores locais.

Os colaboradores levavam ao ar uma programação bastante variada: música para todos os gostos, noticiário, curiosidades, programas com a participação da comunidade, radionovelas e transmissão de eventos.

Os intérpretes mais solicitados, no início, eram os românticos como Dalva de Oliveira, Linda Batista, Lupicínio Rodrigues e Francisco Alves, dentre outros.

Os principais colaboradores, no início, foram Waldomir Vaccari e a, hoje sua esposa, Roma, Dalva Scherer, Leda Oppitz (hoje Huier), Lito Guido Huier e Orlando Bazzan, entre os principais.

Leda Oppitz foi escolhida como Brotinho da Rádio e foi coroada em alto estilo durante um baile no Clube Serrano como a Raínha da Rádio Clube de Canela, por Beatriz dos Santos (hoje Piva), que era a Rainha do Clube Serrano.

Todas as datas festivas como Natal, dia dos pais, Sete de Setembro, dia das mães e muitas outras tinham programação especial da Rádio Clube de Canela.

Dado à impossibilidade do Sr. Semilio Zeferino Munaretti continuar na administração da Rádio Clube de Canela, em 1953 assumiu o Sr. Carlos Adyr Selbach. Funcionário do Banco Industrial e Comercial do Sul S.A. - Sulbanco, o novo diretor introduziu os programas dominical da Clube. Era o Matinal Domingueiro U-27, onde apresentavam-se grandes nomes do rádio regional e os calouros locais. O sucesso foi tão grande, que o cinema ficava pequeno para receber o público que queria participar. A solução foi instalar um serviço de alto-falantes ao lado externo do cinema, para que aqueles que não pudessem entrar no auditório pelo menos ouvissem o programa. Um dos apresentadores que mais sucesso alcançou com o “Domingueira U-27” foi o professor Elzaide Ramos, que também exercia a atividade de locutor da Rádio Clube, paralelamente ao seu cargo de professor do Grupo Escolar João Corrêa.

Nesta época os estúdios estiveram instalados no prédio da Estação Rodoviária, na Praça João Corrêa, por quase uma década. O interessante era acompanhar os curiosos que, ao desembarcar dos ônibus, ficavam na porta da Rádio para observarem o locutor falando ao microfone ou o operador técnico colocar os discos. Muitos ficavam olhando durante horas.

Carlos Adyr Selbach permaneceu 14 anos como diretor da Rádio Clube de Canela, vindo a desligar-se em 1967, após uma assembléia geral dos associados da empresa.

Em meados da década de sessenta, os estúdios foram transferidos para     uma das salas no prédio do então Café Rex, hoje Confeitaria Uni Duni Tê, na esquina da Rua Dona Carlinda com a João Pessoa. Ali os estúdios da Rádio Clube de Canela permaneceram alguns anos sob a gerência de Telmo Martins, o popular Guiné.

Carlos Adyr Selbach permaneceu 14 anos como diretor da Rádio Clube de Canela, vindo a desligar-se em 1967, após uma assembléia geral dos associados da empresa, assumindo a direção o Sr. Otto Albuquerque.

Otto Albuquerque, tão logo assumiu a direção da Rádio Clube de Canela, providenciou a transferência dos estúdios do antigo Café Rex para um prédio junto à sua residência, na Rua Arlindo Pasqualini, na antiga “pera” da viação férrea, prédio de sua propriedade.

Auxiliado por seu filho Raul, o diretor Otto Albuquerque administrou a Rádio Clube de Canela por mais de uma década. Quando transferiu-a para o novo diretor, Sr. Pedro Raymundo Dias, em 1978, os estúdios estavam instalados no prédio da antiga estação ferroviária (hoje Centro Cultural), em uma sala no andar térreo.