Biografia sobre Radiodifusores

FERNANDO VERONEZI

FERNANDO VERONEZI

O radialista Fernando Veronezi nasceu em Porto Alegre, no ano de 1935. Iniciou sua carreira como operador de áudio e programador na Rádio Farroupilha. Nesta última, conforme ele contou muitas vezes, quase perdeu a vida na invasão e incêndio da Farroupilha em 1954.  Populares depredaram as empresas da rede Diários e Emissores Associadas, no dia do suicídio de Getúlio Vargas.

Em 1957, ingressou na recém fundada Rádio Guaíba de Porto Alegre, quando estava ainda em caráter experimental. Nestas mais de cinco décadas na Guaíba, Veronezi foi por 43 anos o responsável pela programação musical da emissora, tanto em Ondas Médias quanto na Frequência Modulada. A sua vida confundiu-se com a Guaíba. O programa Noturno Guaíba, iniciado em 1985, era especializado na música da velha guarda. Nele, Veronezi foi programador e apresentador, permanecendo no ar durante 23 anos, da meia-noite à uma hora. Junto com Osmar Meletti, ele definiu o padrão musical da rádio, tornando-a um paradigma da radiofonia brasileira até poucos anos atrás.

Fernando Veronezi faleceu no dia de hoje.            

“Meu prezado amigo Fernando Veronezi. Teu nome acaba de ser pronunciado na mesma rádio aonde permanecestes desde a fundação. Porém, já faz tempo que não eras mais proclamado, lembrado ou festejado, pelo atual estado da emissora que nada tem a ver com aquela que fizestes. Estou propondo a troca de nome da emissora para Rádio Goiaba, para os que vierem escrever a História do Rádio possam honrar o que foi esta emissora, não confundindo com o ridículo a que foi transformada, inobstante o esforço de muitos que ali trabalham.

Desde os meus 11 a 12 anos de idade, quando persuadia o porteiro a me deixar entrar e permanecer horas observando os estúdios, aprendi a ver um pouco do que era a Guaíba. Muitos anos depois, recordo a tua paciência quando atendias pessoalmente os meus pedidos de gravação, ainda em fitas cassete, de programas históricos narrados por Euclides Prado, Sérgio Schiller e José Fontela. Ainda hoje lembrei quando estava com o meu filho no Zaffari do Menino Deus, há pouco tempo. Não hesitei a chamar o Arthur para cumprimentar-te, dizendo: Meu filho cumprimenta este radialista. Ele é o maior discotecário do rádio gaúcho.

                        Nesta década, fiz o www.museudoradio.com e nele a tua voz é a que mais está gravada na trilha musical que criei. A todos que ali falaram e ainda estavam entre nós, entreguei um CD com a gravação. Quando te passei às mãos, pediste para ouvir e retornaste com os olhos diferentes e molhados. A Trilha termina exatamente contigo, quando dizes: ‘Se eu tivesse que começar de novo, começaria tudo de novo aqui na Guaíba.” Faças imediatamente um broadcasting com o Pedro Pereira, o Lupi, o Meletti, o Amir e tantos outros. Vai ser a maior audiência, um sucesso! Daltro D’Arisbo 28.05.2010