Artigos sobre Radiodifusão

RÁDIO CLUBE PARANAENSE - PRB-2

RÁDIO CLUBE PARANAENSE - PRB-2

Terceira emissora de rádio do país, inaugurada em 27 de junho de 1924, a Rádio Clube Paranaense contou com o espírito pioneiro e investigativo de homens como o radioamador e telegrafista Lívio Gomes Moreira - PY5AG.

Na data, o jornal “Gazeta do Povo”, de Curitiba-PR, na página 8,      noticiou:

“Rádio Clube Paranaense. Por iniciativa de diversos amadores fundou-se hoje, nesta Capital, uma sociedade denominada Rádio Club Paranaense, com o fim de difundir pela telefonia sem fio, concertos musicais, palestras instrutivas, centros para crianças, músicas de danças e notícias de interesse geral.

São sócios fundadores os srs. Lívio Gomes Moreira, dr. Ludovico Jouvert, Francisco Fido Fontana, Euclides Requião, Bertholdo Hauer, João Alfreto Silva, Gabriel Leão da Veiga, Olavo Bório, Alberico Xavier de Miranda e Oscar de Plácido e Silva.

Pelos fundadores foram escolhidos na presidência o sr. Fido Fontana, na direção técnica o sr. Lívio G. Moreira e secretário o sr. João Alfredo Silva.

As pessoas que desejarem aderir à feliz iniciativa, que marca um progresso para o Estado do Paraná, devem dirigir-se ao secretário, Caixa Postal 99.”

No dia seguinte, o mesmo jornal, também na página 8, registrava a inauguração dos trabalhos de telefonia sem fio - T.S.F. - pela Rádio Club Paranaense, ocorrida na véspera, bem como “o seu primeiro concerto, além de uma seção de notícias deste Estado que irradiou”.

“Por termos chegado tarde, das 9 e 30 horas, apanhamos apenas a segunda parte do concerto que constou de uma execução ao piano, por Parevski, recitada de uma poesia, por Madame X, Fausto, por Carmo e um trecho da Carmen.

O nosso aparelho registrou também, ontem, uma irradiação do Rádio Club Argentino, que nos deu o primeiro ato da Aída, levado à cena, ontem, no Teatro Colon de Buenos Aires. Sabemos que diversos amadores nesta Capital já têm adqüirido aparelho, e que estão em via de instalação várias estações de rádio-telefonia.

Em um aparelho de rádio-telefonia, instalado na residência do saudoso João Alfredo Silva, era ouvido um concerto de rádio-telefonia transmitido da residência do sr. Lívio Moreira. A famosa valsa “Viúva Alegre”, ouvida nitidamente, dava início ao concerto... E assim, exatamente nessas condições, estava nascendo a Rádio Clube, a agora nacionalmente conhecida B-2, que em outros tempos marcou posição como “PRB-2”.”

Conforme se pode ler na edição de 23 de junho de 1924 da “Gazeta do Povo”, o concerto em questão aconteceu nesta data, portanto antes da inauguração oficial, “entre as 11:30 e 12 horas”. O aparelho transmissor foi o de Lívio Gomes Moreira e o receptor de João Alfredo Silva. “Às 11 e meia teve início o concerto com a valsa Viúva Alegre, ouvida nitidamente, seguindo-se-lhe duas peças de Patápio Silva.”

Três objetivos principais marcaram os estatutos do clube de rádio pioneiro em Curitiba, definidos em 19 artigos, em reunião realizada em 15 de julho seguinte: promover mútuas relações entre os amadores e interessados pela T. S. F. (radiotelefonia e radiotelegrafia) e tudo que se relacionar com esse ramo da eletricidade; facilitar aos seus associados o estudo e a experiência dos processos aplicados nas rádio-comunicações; e manter na sede, biblioteca,cursos, laboratórios de experiências e palestras científicas, etc.

Os estatutos definem a diretoria, o conselho fiscal, as eleições, a caracterização de sócios efetivos (residentes em Curitiba) e correspondentes (residentes fora de Curitiba) e, no Artigo 19, estabelecem: “O Rádio Club Paranaense só poderá ser dissolvido por deliberação de ¾ de seus sócios efetivos em pleno gozo de seus direitos, ou caso o número de sócios já esteja reduzido, de modo a não poder assegurar a existência da sociedade”. E o parágrafo único do último artigo estabelece:

- “Em caso da dissolução do pedido da Rádio Club Paranaense, os seus bens serão doados à Universidade do Paraná.”

O endereço da primeira transmissão oficial, em 27 de junho de 1924, foi a já demolida Mansão das Rosas, residência do ervateiro Francisco Fido Fontana (1884-1947), na Avenida João Gualberto, em frente ao Colégio Estadual do Paraná.

A residência do radioamador Lívio Gomes Moreira, na Rua Paula Gomes, 110, também foi endereço da emissora.

Euclydes Cardoso de Almeida, presidente do Instituto da Comunicação e da Memória do Estado do Paraná (Rua Pedro Colere, 1131 - Vila Izabel, Curitiba-PR, CEP 80320-320) pesquisa, há alguns anos, a história da Rádio Clube Paranaense e das emissoras de rádio da cidade de Curitiba e do Estado do Paraná. Sobre a Pioneira, conhece uma série de episódios.

Diz, por exemplo, que por ali passou, em 1926, a primeira locutora paranaense, Alice Martins Xavier. Também foi a emissora que transmitiu o primeiro Atletiba (Clube Atlético Paranaense x Coritiba Foot-ball Club), o grande clássico do futebol paranaense, em 1933. Ainda nos anos 30, quando da passagem do dirigível Hindenburg por Curitiba, o interventor Manoel Ribas utilizou o equipamento da Rádio Clube Paranaense para dirigir mensagem à sua tripulação.

O livro “Nas Ondas do Rádio”, Boletim Informativo da Casa Romário Martins, Fundação Cultural de Curitiba, editado em dezembro de 1996, resgata a memória da radiodifusão do Estado do Paraná. Excelente trabalho de pesquisa de Maria Olinda Trindade e Regina Hatschbach Cortes; texto final de Maí Nascimento Mendonça e Revisão de Adão de Araújo. Parabéns ao trabalho desta competente equipe que elaborou esta obra (Coordenação da Casa da Memória, Apoio Técnico, Produção Gráfica, Diagramação, Ficha Catalográfica, Fotos, Reproduções)!