Artigos sobre Radioamadorismo

FILME SE TODOS OS HOMENS DO MUNDO...

SE TODOS OS HOMENS DO MUNDO...
SI TOUS LES GARS DU MONDE...

Este filme expressa muito bem o que é o Radioamadorismo. A Filmsonor S.A. distribuiu internacionalmente este filme francês da “Ariane-Filmsonor-Francinex”, tendo na ocasião sido editado o seguinte texto informativo, no catálogo da “unifrance film”, 2º trimestre de 1955, página 32:

RESUMO DO ROTEIRO: No Mar do Norte, a tripulação de um barco pesqueiro é acometida de botulismo, doença provocada pela ingestão de carne deteriorada. Uma mensagem de socorro, irradiada em ondas curtas, é captada por um radioamador do Togo, que a transmite a um médico que estava em um safari pela floresta. Somente a aplicação de um soro pode salvar a tripulação. É necessário que este soro chegue ao barco pesqueiro num prazo de no máximo quinze horas.

Desde Togo, conseguem contato com um radioamador da região parisiense. Ele corre até ao Instituto Pasteur, onde obtém o soro e providencia para que um avião faça-o chegar até ao barco. No aeroporto de Bourget, um avião polonês recebe a preciosa encomenda. Por ser polonês, este avião aterriza em Berlim Oriental, e o oficial americano avisado para receber o soro e embarcá-lo num avião que vai para Copenhague, não consegue fazê-lo a tempo. Os russos, informados do assunto, deslocam um avião em vôo especial até a Dinamarca. O clima de ansiedade é geral. Um avião francês leva o soro até Oslo, onde o piloto norueguês irá lançar de pára-quedas o pacote com o soro, no barco pesqueiro. A bordo, somente um norte-africano, que não comeu a carne de porco, está bem de saúde. É ele que nada e resgata o pacote que cai no mar. A tripulação se salva...

ELEMENTOS CARACTERÍSTICOS: Inspirado num programa radiofônico de Jacques Rémy, “Não deixe de ouvir”, este magnífico tema traz à tona uma das mais nobres virtudes do ser humano: a solidariedade; sua ação desinteressada para vir em socorro do seu semelhante. Objetivando dar o estilo despojado de uma reportagem da atualidade, Christian-Jaque rodou este filme em preto e branco, na maior parte no mar, um local neutro, que une países e continentes movidos pelo espírito de ajudar. Nenhuma atriz famosa; nada mais que homens que conviveram algumas semanas à bordo, e onde ele apresenta seus personagens sem maquiagem; na plena realidade. Após os filmes espetaculares destes últimos anos, este filme marca uma mudança significativa nas obras de Christian-Jaque. Equipe técnica de primeira ordem. Um filme destinado a ter grandes platéias, que o merecem.

Este filme foi apresentado, em Porto Alegre, em junho de 1957 no Cinema Ritz; em julho de 1957 entra em circuito nos Cinemas Continente, Rosário, Ritz e Marrocos; março de 1958 é reapresentado no Cinema Guarani e, em agosto de 1959 tem sua última apresentação no Cinema Ópera. Atualmente existe só o cinema Guarani.

Informações pesquisadas na Cinemateca P.F.Gastal, prédio do SENAC, Rua Coronel Genuíno, 130 - Porto Alegre-RS.