Artigos sobre Radioamadorismo

Por: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIO AMADORES - ABRA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIO AMADORES - ABRA

A 6 de março de 1926, com a presença de mais de cinquenta amadores de transmissão em onda curta de vários estados brasileiros, destacando-se entre eles os Drs. Alberto Couto Fernandes e João Valle, respectivamente sub-diretor técnico e engenheiro da Repartição Geral dos Telegraphos, realizou-se, na sede da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, a primeira convenção de radio transmissão que resultou na fundação da Associação Brasileira de Radio Amadores - ABRA, primeira entidade que congregou os radioamadores brasileiros. O Rio Grande do Sul esteve presente nesta convenção com o amador Tyrteu Rocha Vianna (3QA), de São Francisco de Assis-RS.

Aberta a sessão pelo Engenheiro Carlos Gooda Lacombe (1AC) foram por ele expostos os fins da reunião. Em seguida foi aclamado o Sr. José Jonotskoff de Almeida Gomes (1AA) para presidir os trabalhos, o qual convidou para seus secretários os Srs. João Sampaio Góes (2AF), de São Paulo e Pedro dos Santos Chermont (1AD), do Rio de Janeiro. Depois de longa discussão, foram aprovados os Estatutos redigidos pelo Dr. Gentil Pinheiro Machado (1BG) e escolhido o nome de Associação Brasileira de Radio Amadores para a novel agremiação.

A diretoria ficou assim constituída:
Presidente:  Demócrito L. Seabra (1AT)
Secretário: Gentil Pinheiro Machado (1BG)
Tesoureiro: Manoel de Macedo (1BE)

Após o advento do Decreto nº. 16.657, de 05 de novembro de 1924, sancionada pelo Presidente da República Arthur Bernardes, que permitiu que as estações receptoras pertencentes a qualquer pessoa nacional ou estrangeira atuassem livremente sujeitando-se ao cumprimento dos dispositivos legais regulamentadores da matéria, se tornou necessário uma entidade que congregassem os amadores de transmissão em onda curta. Assim surgiu a ABRA. O Decreto nº. 16.657 foi o resultado de uma campanha que Edgard Roquette-Pinto (1AG) vinha fazendo pelo livre exercício da radiofonia.

A partir daí o radioamadorismo foi crescendo e, em junho de 1926, a Revista Antenna publicava a relação das estações transmissoras em onda curta existentes no então Distrito Federal:

José Jonotskoff de Almeida Gomes 1AA 10 watts
Godofredo Damm 1AB 5 watts
Carlos Gooda Lacombe 1AC 500 watts
Pedro dos Santos Chermont 1AD 50 watts
Victoriano Augusto Borges 1AE 50 watts
José Cardoso de Almeida Sobrinho 1AF 20 watts
Edgard Roquette-Pinto 1AG 5 watts
Harold May 1AH 50 watts
Elvan Costa Guimarães 1AI 10 watts
João E. do Lago 1AJ 5 watts
Cid Santos 1AK 50 watts
Mário Liberalli 1AL 5 watts
Alberto Régis Conteville 1AM 10 watts
Waldemar Leite Aguiar 1AN 50 watts
Fernando N. de Andrade Costa 1AO 20 watts
Newton de Barros Ignarra 1AP 50 watts
Mário Barbedo 1AQ 50 watts
Joaquim Paula Rosa Júnior 1AR 10 watts
Francisco Penalva Santos 1AS 20 watts
Demócrito L. Seabra 1AT 50 watts
Ant. Fer. da Costa Júnior 1AU 10 watts
Antônio C. da Silva Lima 1AV 50 watts
João Victoriano Pareto 1AX 10 watts
Yvonne Moorby 1AY 10 watts
Juvenil Pereira 1AZ 50 watts
Vasco Abreu 1AW 50 watts
Narciso dos Anjos Lima 1BA 50 watts
Raul Kennedy de Lemos 1BB 100 watts
Raul Rerrogain 1BC 50 watts
Roberto Leite Villela 1BD 10 watts
Manoel de Macedo 1BE 5 watts
Godofredo Mesquita 1BF 10 watts
Gentil Pinheiro Machado 1BG 10 watts

Em junho de 1927 os radioamadores já eram em número de 94, assim distribuídos: Distrito Federal - 55; Rio de Janeiro - 4; Espírito Santo - 1; São Paulo - 24; Paraná - 3; Rio Grande do Sul - 2 (Tyrteu Rocha Vianna (3QA) e Pedro Carlos Schuck (3AA)); Pernambuco - 5; Maranhão - 2; Pará - 1. Esta relação, com os nomes, indicativos e endereços, foi um trabalho do Vasco Abreu - 1AW.

A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIO AMADORES - ABRA, a 13 de fevereiro de 1933, se fundiu em REDE BRASILEIRA DE RADIOAMADORES - RBR. Atualmente a entidade representativa dos radioamadores brasileiros é a LABRE, fundada a 2 de fevereiro de 1934, que é o resultado da fusão da Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão - LABRE, que existia e funcionava em São Paulo, fundada a 12 de fevereiro de 1931, com a Rede Brasileira de Radioamadores - RBR, que existia e funcionava no Rio de Janeiro, desde 13 de fevereiro de 1933, prevalecendo para a nova associação o nome da entidade paulista.

No Rio Grande do Sul, desde 1932, com sede em Porto Alegre, existia o RÁDIO CÍRCULO DO SUL, primeira entidade de radioamadores em nosso Estado, que com o advento da fusão e a conseqüente criação da LABRE, resolveu juntar-se a esta. Outras associações surgiram e se filiaram a LABRE. No Paraná, com sede em Curitiba, surgiu a Sociedade Paranaense de Rádio; e em São Paulo, o Clube Paulista de Rádio Emissão e o Rádio Círculo Bandeirante. O eficiente trabalho dessas associações, naquela época, espelha-se claramente nestes números: em setembro de 1934 as estações de radioamadores registradas eram em número de 139; em novembro de 1935 chegavam a 571. Um aumento de 310%, em um ano e dois meses!

Atualmente os radioamadores estão em todo o canto do nosso imenso Brasil, sempre prontos para servir, como diz o lema: “QUEM NÃO VIVE PARA SERVIR, NÃO SERVE PARA VIVER”.