Alimentos leves que se hidratam Ao prato!

Explicamos-Te como adaptar a sua dieta diária para a estação mais quente do ano, para que você se sinta bem, apesar do calor…

Como sabe, existem alimentos que nos ajudam a manter estável a nossa temperatura corporal durante os meses mais frios do ano, por sua composição e pela forma em que devemos prepará-los. São os conhecidos como “alimentos fogão”, os que fornecem mais calorias (como o seu nome indica, produzem “calor” quando são processados pelo organismo) e, portanto, contribuem para que possamos suportar melhor o frio ambiental. Falamos principalmente de gorduras, que são a nossa fonte de calor e de energia principal, presentes sobretudo nas carnes e outros alimentos de origem animal (leite, ovos…), que são saudáveis, desde que sejam tomadas com moderação.

Como estamos às portas do verão, o calor obriga-nos a iluminar a nossa alimentação, como aligeramos nossa forma de vestir.

¡Salte para os legumes!

Nosso corpo tem uma grande capacidade de adaptação aos rigores das altas temperaturas, mas ajudamos muito a sentir-se mais fresco e confortável, se tiver uma alimentação mais leve do que a que temos mantido nos meses passados, com menos aporte energético, mas sem deixar de ser muito completo em todos os tipos de nutrientes. É momento de se mudar para os “alimentos frigorífico”, que têm uma característica muito particular: um elevado percentual de sua composição é água, o que contribui para melhorar a hidratação do organismo, ajudando a compensar o maior volume de líquidos que perdemos, agora, através da transpiração, que se somam aos que eliminamos habitualmente através da urina e de outros processos orgânicos. Estes “alimentos frigorífico” são as frutas e os vegetais, que, além de ser uma excepcional fonte de vitaminas e fibras, também contribuem para redefinir a quantidade de sais minerais que perdemos pelas mesmas vias.

E Os carboidratos?

A alimentação do verão tem que incluir quantidades adequadas de hidratos de carbono de absorção lenta, que têm a propriedade de libertar-se pouco a pouco na corrente sanguínea, fornecendo energia de forma constante. Fontes deste tipo de carboidratos são os cereais (incluindo o arroz), leguminosas, massas e frutos secos, que não devemos prescindir nesta época, sozinhos ou combinados com os vegetais, para que a nossa dieta seja realmente completa e equilibrada.

Mais comida, menos quantidade

A digestão e aumenta a temperatura corporal e faz com que o coração trabalhe mais do que é normal em repouso, porque para poder processar os alimentos ingeridos, o aparelho digestivo tem uma grande qualidade de sangue. Por isso, se no verão a nossa alimentação é mais simples e leve, dando preferência aos vegetais crus ou pouco cozidos em preparações simples, vamos facilitar muito esse processo, nossas digestões serão muito mais leves do que quando tomamos pratos mais elaborados e evitar os temidos “cortes de digestão”.

Quanto à quantidade, a chave para conduzir melhor o calor não é comer menos, se estamos em um peso saudável, manter um estilo de vida ativo e fazemos um pouco de exercício diário, mas comer mais vezes, mas com menos quantidade de cada vez. E se há algo especialmente importante é que os jantares são leves, para poder descansar sem ter que suportar digestões lentas e pesadas.

Não nos esqueçamos de que o picante contribui para aumentar a temperatura corporal, o que não convém abusar deste tipo de temperos no verão.

Menção à parte merece o sal: em condições normais, apesar das perdas que ocorrem com o suor, é importante manter um consumo máximo de cinco gramas de sal (sódio) por dia, para evitar uma excessiva retenção de líquidos no organismo.

Os alimentos de verão mais ricos em água

  • Acelga: 97% de água
  • Pepino: 96% de água
  • Alface: 95% de água
  • Pimenta: 94% de água
  • Tomate: 93% de água
  • Melão: 92% de água
  • Melancia: 90% de água
  • Morango e morango: 89% de água
  • Laranja e tangerina: 88% de água
  • Cenoura: 88% de água
  • Pêra: 86% de água
  • Abacaxi: 86% de água
  • Maçã: 85% de água
  • Uva: 83% de água

Antepasto à base de legumes (e melhor se são frescos e sazonais), além de água, te darão uma grande dose de vitaminas e minerais.
Rins felizes

Os alimentos ricos em água favorecem a produção de urina (diurese) e têm purificação de ação, já que, com ela, eliminamos toxinas. Ao mesmo tempo, alivia a retenção de líquidos, um problema que afeta sobretudo as mulheres, as pessoas com cardiopatias, hipertensão ou obesidade, uma vez que quanto mais água tomemos, mais facilmente poderemos expulsar os líquidos em excesso que se acumulam nos tecidos moles do corpo, especialmente nas pernas (tornozelos, joelhos) e no abdômen.

SE você SOFRE de UMA DOENÇA RENAL OU CARDÍACA e o seu médico se tem recomendado restringir o consumo de líquidos, lembre-se de que a água que contêm os alimentos também conta. Nesse caso, pondera a quantidade de alimentos aquosos que tomas ao longo do dia, assim como a quantidade de sódio que estes contêm.

Idéias para um cardápio refrescante

PRIMEIRO…

  • Cremes frias: O gaspacho, o salmorejo, a vichyssoise ou o ajoblanco, por exemplo, são uma refrescante bomba de nutrientes, hidratam de forma excepcional e “entram sozinhas”, porque se tomam bebidas ou com uma colher. Os caldos, sopas e pucheros quentes, mas preparem-se apenas com legumes, não costumam desejar tanto para os dias mais quentes.
  • Saladas: Dê imaginação e elabóralas com todos os ingredientes que te ocorra: tomate, alface, escarola, cônegos, beterraba, cebola, cenoura, pimentão, pepino, aipo, rabanete, rebentos de soja, … Pode incorporar, além disso, pedaços de algumas frutas que combinam perfeitamente com esses vegetais, como a laranja, a maçã ou morango. Você também pode fazê-las de leguminosas (lentilha, grão de bico, feijões, favas, soja), arroz, massas, batatas (casaco ou ensaladilla russa)… Alíñalas sempre de forma clara: um pouco de azeite de oliva, um pouco de vinagre ou limão e ervas aromáticas. Deixe a maionese, a salsa, César e outros molhos mais gordos para ocasiões especiais.
  • Menestras: Não fiques no clássico, cria cada vez um pouco diferente: com brócolis, alcachofra, acelga, espinafre, alho-poró, cenoura, couve-flor, feijão, feijão… Se você dá as verduras um fervente moderado, para que fiquem “al dente”, eles vão conservar o máximo de nutrientes e de água.
  • Pisto ou escalivada: também são uma verdadeira festa de sabores que gosta especialmente no verão, por serem pratos leves. São feitos com variedades tão nutritivas, como a abobrinha, a berinjela, o tomate, a cebola e o pimentão. A escalivada é muito semelhante, só que é servido frio, o que torna ainda mais refrescante.

SEGUNDO…

  • Carnes com pouca gordura: As mais leves para esta época são as de frango, peru ou coelho, que são muito saborosas preparadas para a prensa (para que sejam menos calóricas), contadas com recurso a uma pitada de pimenta ou ervas aromáticas, alho ou um pouco de limão. O vitelo é uma carne mais gordura. Se você tem paixão pelas churrascos de verão, não exagere com as carnes mais gordas (carne de porco e derivados, cordeiro, vitela e boi). Acompanha sempre a carne com uma pequena porção de legumes ou arroz para completar o prato.
  • Peixes: Para não perder as calorias, tome-os também grelhadas ou ao forno, de preferência, de azul, que é que temos mais benefícios saudáveis.

OU COMO PRATO ÚNICO…

  • Arroz: Animais de todo o tipo de ingredientes, tanto vegetais como de carne e do mar. uma ração dá uma boa dose de nutrientes e energia.
  • Saladas completas: Qualquer combinação que você gosta, se você adicionar frango, atum, ventresca, cavala ou ovo, é um prato único, tão completo e delicioso.

E DE SOBREMESA…

  • Frutas: Na estação de verão, há mais variedades no mercado do que no resto do ano. Quanto mais suculentas são quando lhes hincamos o dente, mais água que contêm. Os reis do verão são, merecidamente, o melão e a melancia. Se você sabe escolher os que estão em seu ponto de maturação e doçura, ser-lhe-á a boca “água”. Se você não se vai muito da fruta, de certeza que te atrai muito mais uma colorida salada de frutas naturais. Usa morango, pêssego, damasco, ameixa, cereja, uva, kiwi, abacaxi, figo, maçã, pêra… E se a acompanhá-lo com gelatina, você estará dando ao seu corpo um plus de líquido.
  • Sorvetes e sorbetes: São muito hidratantes e sempre tem vontade, mas cuidado, os industriais estão elaborados com grande quantidade de gordura prejudicial e por isso, só se devem tomar, de vez em quando e moderando a quantidade. Para que sejam mais saudáveis, conte pra fazer em casa com suas frutas favoritas.

Bebidas para o verão

Para evitar a desidratação, a quantidade de líquido que os médicos e especialistas em nutrição recomendam beber no verão é superior à do resto do ano: cerca de dois litros por dia, que equivalem a mais de entre oito e dez copos por dia. Estes dois litros são imprescindíveis para manter o equilíbrio hídrico do organismo, que é o equilíbrio entre a quantidade total de líquido que entra e que sai do organismo.

A água é nossa bebida básica –porque 65% do corpo humano é água, a ingestão de líquido pode e deve ser variada: sumos de frutas e batidas (que serão mais saudáveis se são naturais), orchata, chás quentes ou frias…

Menção à parte merecem as bebidas alcoólicas. Embora a cerveja é uma tentação no verão, o aconselhável é não ultrapassar os dois copos diários os homens e as mulheres, e as quantidades máximas recomendadas são as mesmas no caso do vinho. É muito importante ter em conta que abusar do álcool favorece a desidratação aumenta o risco de sofrer um golpe de calor, porque estimula a produção de urina.

DICAS PARA BEBER MAIS

  1. TOMA AS BEBIDAS FRESCAS, a uma temperatura que seja refrescante e que ajude a acalmar a sede, mas nunca gelada. beber líquidos recém-tirados da geladeira ou com muito gelo dificulta a digestão e favorece as faringite.
  2. PREPARE-se ZMOS, BATIDOS de leite E BATIDOS de uma combinação de frutas e/ou legumes diferente a cada dia. Desta forma, não te cansarás de beber sempre o mesmo e você de forma alguma encorajar a experimentar sabores novos. Tome-os a meio da manhã ou lanches.
  3. Você já tentou as INFUSÕES GELADAS? Prepáralas antes quente, e quando se templen, acrescentar um par de cubos de gelo.
  4. SE BEBER, ÁGUA MINERAL, PÍDELA SEM GÁS. e deixa os refrigerantes para ocasiões especiais. o dióxido de carbono produz flatulência e produz a sensação de enchimento gástrico, o que dificulta continuar bebendo a quantidade necessária.
  5. ACOMPANHA TODAS AS REFEIÇÕES COM UM COPO DE ÁGUA. bébelo em pequenos goles ao mesmo tempo que ingere alimento.
  6. VEJA HORÁRIOS: Proponte tomar um copo de água em determinados momentos do dia: ao acordar, a meio da manhã, antes de deitar… Te esquecerás menos de beber.E SE EU TENHO PERDAS DE URINA?As pessoas com incontinência urinária tendem a não tomar água suficiente, porque consideram que desta forma poderão passar mais tempo fora de casa, sem se preocupar em ter um banheiro por perto. No entanto, a redução ou supressão de ingestão de líquidos é muito prejudicial para a sua saúde, pois aumenta o risco de desidratação. O melhor é ir à consulta do urologista, pois há opções terapêuticas que ajudam muito a manter a bexiga sob controle, como os exercícios de reabilitação do assoalho pélvico, juntamente com tratamentos farmacológicos para a medida.

Twitter

Alimentos de primavera ricos em fibras

Você tomadas suficientes alimentos com fibra? Este é um componente essencial da nutrição que ajuda a não engordar e se toma diariamente o esqueça-se da prisão de ventre!

Não é por acaso que nos últimos anos tenha crescido a produção de alimentos ricos é fibra, já que este elemento nutricional é um dos que não deve faltar em nossa dieta, devido às suas excelentes propriedades e os benefícios que traz ao organismo.

A fibra alimentar é a parte comestível das plantas que resiste à digestão no nosso intestino delgado e que experimenta uma fermentação parcial ou total do intestino grosso.

É composta por moléculas muito complexas e resistentes que o nosso organismo não é capaz de digerir em sua totalidade. As secreções do intestino delgado não lhes afetam e passam para o intestino grosso, sem que apenas sejam assimiladas, daí que promovam a sua limpeza.

A razão por que o organismo não consegue processar a fibra é que o aparelho digestivo não possui enzimas capazes de fazê-lo, mas isso não significa que permaneça intacta. As enzimas da flora bacteriana parcialmente fermentados da fibra e a decompõe em vários compostos químicos de suma importância para o organismo humano.

Solúvel e insolúvel

Existem dois tipos de fibra, insolúvel e solúvel, diferenciadas pelas propriedades físicas e o efeito fisiológico que ocorrem no nosso organismo. Ambas são igualmente necessárias e se encontram a maioria dos alimentos de origem vegetal, embora em diferentes proporções.

  • A FIBRA INSOLÚVEL é composto basicamente de lignina e celulose (substâncias que são usadas para fabricar o papel). Tem a habilidade de absorver a água como uma esponja, com o que as fezes crescem em volume e são menos consistentes. Graças a isso, seu escoamento é mais rápida e frequente. E a regular o trânsito intestinal, previne a prisão de ventre e o aparecimento de complicações como a diverticulite ou as hemorróidas.
  • A FIBRA SOLÚVEL se dissolve em água e adquire uma consistência semelhante ao gel, ou gelatina, durante a digestão, de forma que contribui também para que as fezes acumuladas no cólon são evacúen com mais facilidade. É formada por pectina (que se encontra sobre a pele das frutas) e mucilagem (que produzem, por exemplo, as sementes de certas plantas).

Mais benefícios

Embora a função mais importante da fibra é o seu papel regulador do trânsito intestinal, também é benéfica por outros motivos:

  1. Ajuda a não engordar: Em contato com a água que ingerimos, a fibra dobra seu volume no estômago e acentua a sensação de saciedade, o que diminui a ansiedade por comer. Esta é uma das razões por que as dietas de emagrecimento incluem todo o tipo de alimentos ricos em fibra.
  2. Glicose sob controle: A fibra solúvel retarda a digestão e a absorção dos hidratos de carbono, como a glicose, o que contribui para fornecer um fluxo constante de energia. Esta propriedade impede aumentos bruscos de glicose no sangue, o que é importante em especial para as pessoas com diabetes tipo 2 ou pré-diabetes.
  3. Menos colesterol: A ingestão de fibra retém o colesterol dos alimentos e facilita a sua eliminação, o que diminui o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.
  4. Proteção contra o câncer: Por sua capacidade de diluir e acelerar a eliminação de agentes cancerígenos e toxinas, a fibra ajuda a prevenir o câncer de cólon. Para isto também contribui o fato de que, graças a ela, as substâncias nocivas que contêm as fezes permanecem menos tempo em contato com a parede do cólon. E a fibra além do mais, favorece o crescimento da microflora intestinal (bactérias benéficas), que também exerce uma ação oncológica.

DEVEMOS TOMAR DE 1,5 A 2 LITROS DIÁRIOS DE ÁGUA, JÁ QUE A FIBRA ABSORVE GRANDES QUANTIDADES DE LÍQUIDOS DO NOSSO ORGANISMO

Onde se encontra?

A fibra encontra-se exclusivamente em alimentos de origem vegetal e se concentra especialmente na casca ou pele dos mesmos.

  • Frutas e legumes. Para aproveitar ao máximo o seu conteúdo em fibra e tentar levá-los, sem descascar, e no caso de que ele passe pelo liquidificador, tomar o suco sem coar, uma vez que a polpa também se concentra boa parte de sua fibra, além da pele. No que se refere às hortaliças, a melhor opção é consumi-las cruas ou cozidas no vapor, sem trocearlas ou cortadas em pedaços grandes.
  • Cereais e produtos integrais. A maioria dos pães, massas e doces são feitos com farinha branca, que é obtido de cereais refinados. Ao triturar os cereais na moagem eliminam-se as partes externas do grão, o germe e o farelo, que são as que contêm maior quantidade de fibras e nutrientes essenciais (vitamina E, vitaminas do grupo b, selênio, zinco, cobre, ferro, magnésio, fósforo…) e se utiliza apenas a parte interior, o albume, composto principalmente de amido.Para garantir o adequado aporte de fibra, é muito recomendável consumir produtos elaborados com farinha de trigo integral ou que contenham grãos integrais inteiros, como é o caso de muitos pães. É muito importante abandonar a idéia de que o integral é “light” e que este tipo de alimentos apenas têm cabimento nas dietas para emagrecer. Na realidade, os produtos integrais fornecem geralmente uma quantidade similar de calorias que a sua versão não-integral. O mais saudável é incorporá-los à alimentação de toda a família desde a infância.
  • Produtos enriquecidos. No supermercado há muitos e variados produtos funcionais, a maioria lácteos, que incorporam em sua fórmula uma quantidade extra de fibra. olhe para os rótulos destes alimentos, que indicam a quantidade de fibra que contém e o percentual que cobrem em relação à quantidade diária recomendada. Mas lembre-se que seu principal fonte de fibra devem ser sempre os vegetais, e estes não devem ser compensados nem substituídos por estes produtos enriquecidos em fibras.
  • Suplementos de plantas. São comercializados sob a forma de cápsulas ou extrato seco, especialmente como complemento de dietas de emagrecimento, para saciar o apetite e favorecer o trânsito intestinal. Entre as mais populares, destacam-se:GLUCOMANANO: é extraído da raiz de uma planta chamada konjac. Ao ser ingerido com uma quantidade considerável de água (dois copos ou mais), incha no estômago, transformando-se em um gel viscoso não digerível, que gera sensação de saciedade e mobiliza o intestino, o que ajuda contra a prisão de ventre. De acordo com diferentes estudos, também tem propriedades contra a hiperglicemia e hipercolesterolemia. Pode reduzir a absorção de certos medicamentos.FUCUS: Alga rica em manitol, um hidrato de carbono ao qual se atribuem propriedades laxantes e diuréticas. Devido ao seu conteúdo em mucilagem, de natureza viscosa, se for tomado com uma quantidade suficiente de líquido reduz o apetite. Além disso, é uma excelente fonte de iodo e é um bom suplemento em dietas muito baixas em calorias, por sua riqueza em vitaminas. Devem tomá-la com moderação e sob vigilância médica das pessoas que sofrem de hipertireoidismo, ansiedade, insônia, taquicardia ou palpitações.PLANTAGO: Também conhecido como a língua de ovelha ou psyllium. É uma erva perene, cujos frutos contêm numerosas sementes pretas, às quais se atribui a sua ação efeito saciante e-mail. Além disso, ajuda a diminuir a absorção de açúcares e gorduras.

Certifique-se que um correto aporte tomando…

  • Três peças de fruta, de preferência com a pele diariamente.
  • Duas porções de verduras e hortaliças cruas em forma de saladas ou pouco cozidos.
  • Um punhado (30 g) de frutos secos torrados por semana.
  • Entre dois e quatro porções semanais de legumes.

OS SUPLEMENTOS DE FIBRA SÓ DEVEM SER TOMADAS POR INDICAÇÃO MÉDICA. TENHA EM ATENÇÃO QUE PODEM PRODUZIR EFEITOS ADVERSOS

Quantos há que tomar?

Os especialistas em nutrição recomendam em adultos um consumo diário de cerca de 30 gramas de fibra. Mas mais não é sempre melhor: superar essa quantidade de fibra traz mais inconvenientes do que vantagens:

  • Aumenta a eliminação intestinal de minerais como o cálcio, ferro ou zinco, chegando mesmo a provocar carências importantes.
  • Pode causar flatulência e inchaço abdominal, como consequência da fermentação bacteriana que provoca a fibra no cólon. No caso de crianças, as quantidades recomendadas de fibra são inferiores: os especialistas em nutrição propõem aplicar a regra “idade + 5”. Por exemplo, uma criança de dez anos, terá de consumir 15 gramas diárias de fibra. A quantidade deve ir aumentando até chegar aos números recomendadas em adultos.

Twitter

Alimentos congelados: Como conservá-los bem

O congelamento provoca um efeito mínimo sobre o conteúdo nutricional dos alimentos: apesar de as frutas e legumes frescos perdem entre 15 e 20% de sua vitamina C, no caso da carne e do peixe, os nutrientes permanecem quase intactos.

Ao submeter os alimentos a uma temperatura muito baixa, frenamos a sua deterioração e a perda de suas propriedades sensoriais (cheiro, sabor). Com este processo também conseguimos parar ou retardar a ação dos microrganismos, mas não os eliminamos, como acontece quando os cozinhamos com calor intenso. Por este motivo, se manipulamos os alimentos congelados de forma incorreta, colocamos a nossa saúde em risco.

Evita riscos

É muito importante não voltar a congelar os alimentos que foram descongelados, mesmo que parcialmente, já que, ao adquirir uma maior temperatura, as condições são propícias para a atividade microbiana, sair e que a quantidade de bactérias aumenta, com o consequente risco de provocarnos uma toxiinfección alimentar.

Por isso, não devemos descongelar um alimento antes de cozinhá-lo, deixando-a durante horas à temperatura ambiente, mas mantendo-se previamente no frigorífico –cuja temperatura mais alta, normalmente entre -4 ° C -7 ° C– durante o tempo necessário até que o descongelamento seja completa, para evitar essa rápida proliferação de microrganismos.

Congelados industriais: Nutritivos e seguros

No supermercado, encontramos uma grande variedade de produtos naturais e congelados, que podem fazer parte de uma dieta equilibrada, rica e diversificada como os produtos frescos. Embora submetidos a um processo industrial, também mantêm a maior parte de seus nutrientes e sabor, até que chegam à nossa mesa. Também com eles, você tem que manter certas precauções:

1. O recipiente deve estar limpo, sem rupturas e sem gelo. Assim você vai ter certeza de que está bem preservado.

2. Respeita o tempo de conservação. Verifique a data de validade em sua rotulagem.

3. Transporte em uma bolsa isotérmica para evitar que se descongelar. Imediatamente ao chegar em casa, guarda-os no congelador para que não se rompa o processo de congelamento (cadeia de frio). Se isso ocorrer, você poderá notar que a embalagem do produto está úmido ou molhado. Neste caso, mantém o produto na geladeira –nunca no freezer– e consuma-o em poucos dias.

Congela bem em casa

  • LEGUMES: As que se preparam cozidos ou no vapor, é conveniente escaldarlas previamente, sumergiéndolas em água a ferver durante alguns segundos. Devem deixar-se arrefecer antes de inseri-los em sacos especiais no congelador.
  • PEIXE: Ofereço, tira as escamas e córtalo em bifes antes enrole em papel para congelar –filme ou alumínio e coloque-o no congelador.
  • CARNE: É melhor mantê-la em bifes e sem ossos, e também envolvido adequadamente. A carne picada deve-se separar em pequenas porções e em sacos para congelamento, para poder retirar apenas a quantidade que vai consumir.
  • PRATOS COZINHADOS: Você pode congelar tantos os assados, como os cozidos e cozidos. Mas devem ser cozidos com menos sal e gordura, já que o congelamento aumenta o sabor.


Nem todos os alimentos devem permanecer o mesmo tempo no congelador.
Os limites máximos recomendados para cada um deles são…

  • PÃO: 3 meses.
  • PRATOS COZINHADOS: 4 meses.
  • CARNE E PEIXE: 6 meses.
  • LÁCTEOS: 8 meses.
  • FRUTA: 10 meses.
  • LEGUMES: 12 meses.

Como protegê-los do frio?

Para que os alimentos não se “queimar” com o frio, é importante envolvê-los sempre com papel filme, papel alumínio, sacos especiais para congelar ou em recipientes resistentes.

Quando é que se podem congelar?

Os alimentos devem ir para o freezer ou frios do tempo, nunca quentes.

A que temperatura deve estar?

O freezer deve estar a -18 ° C ou menos para que os alimentos se mantenham em bom estado.

Melhor ao natural

Estes são alguns alimentos que perdem consistência e sabor quando congelados e que, portanto, é melhor consumir ao natural, frescos ou recém-feitos:

  • O CREME de leite, O LEITE FRESCO E OS MOLHOS GORDURAS, porque podem ser cortados.
  • O QUEIJO, porque se desmigaja.
  • OS ALIMENTOS TEMPERADOS OU EM SALMOURA, porque se intensifica o sabor.
  • OS VEGETAIS que são consumidos frescos, como a alface, o pimento, os cogumelos e bagas, porque ficam moles e se desmancham.
  • A MASSA, porque é mole se está bem cozida.

Quando congelamos os alimentos, basta parar a ação das bactérias que contêm, não acabamos com elas.

Twitter